Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Canta o mar e chama os rios à liberdade

  Capa: autora. Arte: Katsushika Hokusai, A Grande Onda de Kanagawa (1826 - 1836). Penso nos versos do rio que teme entrar no mar. No poema, rio é ela. Ela vê todo o caminho que percorreu desde a nascente, as montanhas que moldaram o seu curso, as paisagens que regou e as comunidades que abasteceu. O mar é maior que tudo que ficou para trás, ela sente medo. Medo de que sua história seja engolida, apagada sob a superfície do desconhecido. Mas como aqueles que povoaram de sereias o imaginário, ela se deixa fluir para tornar-se a voz que entoa o canto do mar. Ela toda, oceano.  Por isso escreveu outro poeta: “É tão difícil guardar um rio quando ele corre dentro de nós.” Não só de futuro se salga o mar, toda a vida intempérie das ondas. Abrimos algum caminho nas montanhas, entretanto nos cerca o desconhecido, de qualquer tempo e espaço, no outro e em nós. Quando o medo desafia a gravidade se concretam barragens, traição do eu contra seus rios.  Eu porém já não os guardo, escorrem ca

Últimas postagens

Crônica do Pássaro de Corda - Haruki Murakami

Os prêmios - Julio Cortázar

Leituras do primeiro semestre de 2021

Para onde vão seus pés

A liberdade em Perto do coração selvagem, de Clarice Lispector